Há certo vazio no Departamento de Estado e falta de consistência na política externa. O governo invoca direitos humanos e democracia nos casos de Cuba e Venezuela, mas não para o restante da região.